Portimonense
CONHEÇA OS REGULAMENTOS DESTA NOVA MODALIDADE

A liga Portuguesa Pro Clubs é uma organização que visa fazer disputar em paralelo com os campeonatos nacionais de futebol, competições de futebol online tendo por base a plataforma do jogo FIFA.

CAPITULO I – Disposições Gerais

 

Artigo 1.º Objeto

1. O presente Regulamento rege a organização da Liga Portuguesa Pro Clubs. 
2. Qualquer referência no presente Regulamento a Liga, Prova ou Competição, é tida como feita à Liga Portuguesa Pro Clubs.

 

Artigo 2.º Definições

Para efeitos deste Regulamento entende-se por:
a) «Clube»: clubes e sociedades desportivas.
b) «Clube FPF»: Qualquer clube com inscrição na FPF ou em alguma associação titulada pela FPF.
c) «Clube Gaming»: Qualquer clube que possui personalidade jurídica seja na forma de empresa ou associação sem fins lucrativos. 
d) «Cheat»: Erro do jogo. 
e) «FPF»: Federação Portuguesa de Futebol. 
f) «Competição Pro Clubs»: a atividade desportiva regulamentada, organizada e exercida sob a égide da FPF eSports e que inclui a Liga, a Taça da Liga, a Taça de Portugal e a Supertaça. 
g) «Campeonato Nacional»: Todas as competições relacionadas com o Campeonato Nacional.
h) «Draft»: é o período definido pela FPF onde as equipas apuradas para os Playoffs de apuramento do Campeão da Primeira Liga podem realizar uma contratação sem quaisquer restrições. Esta contratação terá de ter aprovação da Organização e respetivo jogador, a mesma será apenas oficializada com o nome Draft, realizado entre o fim da fase regular e antes do início do Playoff. O jogador inscrito apenas pode jogar nos Playoffs.
i) «Discord oficial»: Plataforma de comunicação com endereço facultado pela organização via e-mail.
j) «Divisões superiores»: Qualquer divisão que esteja acima da divisão em causa. 
k) «Ficha de Jogo»: documento, formalmente predefinido pela FPF, preenchido por clube participante em jogo oficial, de acordo com o regulamento da respetiva competição.
l) «Handicap»: Penalização para a equipa que jogue com menos de 11 jogadores.
m) «Lag»: Problema de ligação. 
n) «Relatório do jogo»: documento elaborado pelo Team Manager ou responsável indicado pelo mesmo em modelo oficial aprovado pela FPF, onde constam, entre outras, as medidas disciplinares tomadas assim como a descrição das ocorrências relevantes verificadas antes, durante ou após a realização do jogo.
o) «PSN»: Sistema operativo da PlayStation Network. 
p) « Qualquer (Any)»: posição presente dentro do jogo.

 

Artigo 3.º Princípios Gerais

1. A Liga Portuguesa é realizada em observância dos princípios da ética, desportivismo, integridade, união, solidariedade e mérito desportivo.
2. Todos os intervenientes devem colaborar de forma a prevenir comportamentos antidesportivos, designadamente a violência, dopagem, corrupção, combinação de resultados desportivos, racismo, xenofobia ou qualquer outra forma de influenciar a adulteração de resultados desportivos ou de discriminação.

 

Artigo 4.º Integração de Lacunas

1. A Liga Portuguesa rege-se pelas disposições deste Regulamento. 
2. As lacunas existentes no presente Regulamento são integradas pela Direção da FPF.

 

Artigo 5.º Época desportiva

1. A Liga Portuguesa realiza-se no período que integra cada época desportiva oficial.

 

Artigo 6.º Organizador e Promotor

1. A Liga Portuguesa é organizada pela FPF, sendo esta titular de todos os direitos inerentes à Competição, sem prejuízo daqueles que neste Regulamento expressamente se consagrarem como sendo detidos pelos Clubes.
2. Cada jogo da Liga é promovido pelo Clube visitado, que deve fazer o convite nos termos definidos no presente Regulamento.
3. Sem prejuízo do disposto nos números anteriores, a FPF promove a fase final da Liga Portuguesa, o qual obedece a regulamentação específica inserida no presente Regulamento.

 

Artigo 7.º Denominação da competição

1. A Competição tem a denominação oficial de Liga Portuguesa Pro Clubs podendo ser alterada, no todo ou em parte, na sequência de acordos de patrocínio celebrados pela FPF.
2. Qualquer alteração à denominação da Competição referida no número anterior é divulgada pela FPF.
3. A FPF e os Clubes participantes na presente Competição devem utilizar a denominação oficial da Competição em todas as comunicações por si emitidas, independentemente do suporte ou formato utilizado, tecnológico ou não.
4. Em casos devidamente justificados, a FPF pode dispensar os Clubes da obrigação referida no número anterior. 
5. Os Clubes têm o dever de colaborar com a FPF quanto ao cumprimento das obrigações decorrentes dos contratos de patrocínio celebrados por esta relativamente à Competição.

 

Artigo 8.º Requisitos de participação Coletiva

1. A Liga Pro Clubs, na sua modalidade de participação coletiva, é disputada por todos os clubes inscritos na Liga e no Campeonato Nacional. 
2. A participação coletiva na Liga Pro Clubs obedece aos seguintes requisitos:
    a. A página do clube deve ser registada e validada pela FPF no site esports.fpf.pt, devendo para o efeito preencher a ficha de inscrição disponível neste site. 
    b. Ser Clube FPF ou Clube Gaming.
    c. No caso dos Clubes Gaming, a prática de desportos eletrónicos está sujeita a um processo de avaliação por parte da FPF, que assenta na atividade dos clubes, mais precisamente se estes desenvolvem e fomentam a prática de desportos eletrónicos. 
3. A constituição das equipas deve obedecer cumulativamente aos seguintes requisitos:
    a. Apenas podem participar clubes Portugueses.
    b. O plantel tem que ter no mínimo 70% de jogadores de nacionalidade portuguesa.
    c. O número máximo de jogadores inscritos por equipa é de 23.
    d. O número mínimo de jogadores inscritos por equipa é 14.
    e. O plantel deve apresentar no mínimo os seguintes cargos de responsabilidade:
        i. Team Manager;
        ii. Capitão.
    f. A inscrição de jogadores deve ser feita no período definido e publicitado pela FPF no site esports.fpf.pt. 
    g. A inscrição referida no ponto anterior é feita obrigatoriamente através do site esports.fpf.pt.
4. As Equipas B:
    a. Podem participar no espaço Liga ou no espaço Campeonato e não podem participar na Taça da Liga e Taça de Portugal.
    b. Só podem participar na terceira divisão, caso não exista terceira divisão ou a equipa A esteja nessa divisão, a equipa B é automaticamente colocada no espaço Campeonato.
    c. Equipas B têm que estar devidamente identificadas através de uma ficha de inscrição, disponível no site esports.fpf.pt.
    d. O Team Manager da equipa B tem de ser o mesmo da equipa A.
    e. O Team Manager não pode jogar pela equipa B.
    f. A equipa B tem que apresentar um capitão diferente da equipa A.
    g. Nenhum jogador na equipa A pode jogar pela equipa B.
    h. Qualquer jogador da equipa B pode jogar pela equipa A.
    i. O jogador da equipa B só pode jogar pela equipa A após 72 horas de efetuar um jogo pela equipa B.
    j. Conta para os efeitos da regra prevista na alínea i) a hora marcada pela organização.
    k. Os cartões e suspensões aplicadas a um jogador da equipa B contam pra a equipa A e vice-versa.
    l. Os jogadores não podem cumprir castigo em equipas diferentes e não podem efetuar jogos com um castigo por cumprir.
    m. Caso se verifique incumprimento de alguma disposição do presente Regulamento por parte da equipa B, esta será suspensa nas próximas épocas desportivas e, a equipa A incorre numa sanção de suspensão até 12 meses.
Todas as equipas B serão colocadas como clube FPF ou clube Gaming.

 

Artigo 9.º Requisitos de participação Individual

1. A Liga Pro Clubs, ao nível participação individual, é disputada por todos os jogadores devidamente inscritos na Liga.
2. A participação individual na Liga Pro Clubs obedece aos seguintes requisitos: 
    a. Registo no site esports.fpf.pt
    b. Declaração de cedência de direitos de imagem no âmbito da participação da Liga Pro Clubs.
    c. Cada jogador só pode ter uma conta associada a um PSN ID e, só pode estar inscrito numa equipa.
    d. O PSN ID não pode conter linguagem insultuosa e provocativa.
    e. A conta do jogador só pode ser alterada, mediante aprovação da organização da competição.

 

Artigo 10.º Transferências

1. No período em que não hajam competições, podem haver transferências sem condicionamentos.
2. Durante o período de transferências que decorre durante as competições e é assinalado pela organização no site esports.fpf.pt, cada equipa pode inscrever no máximo 10 jogadores, nas seguintes condições:
    a. Jogadores livres sem qualquer jogo realizado na respetiva edição da Liga de Pro Clubs e Campeonato Nacional;
    b. Jogadores da equipa B;
    c. No máximo 1 jogador que tenha realizado algum jogo na respetiva edição da Liga de Pro Clubs e Campeonato Nacional.
3. O período de transferências decorre entre a Taça da Liga e a Liga Portuguesa.
    a. Clubes que disputam qualquer tipo de qualificador não podem usufruir deste período transferências enquanto o qualificador estiver a decorrer.
4. No Draft que se realiza antes dos Playoffs da Liga Portuguesa na data indicada pela FPF eSports na sua plataforma, os clubes apurados para os Playoffs podem realizar uma transferência adicional sem nenhuma restrição.
    a. Esta transferência apenas pode ser feita com acordo entre as três partes, clube que realiza a transferência, clube que liberta o jogador e a FPF eSports.
    b. O jogador contratado via Draft só pode jogar nos Playoffs.

 

 

CAPITULO II – Organização Técnica

 

Artigo 11.º Formato da Competição

1. Fase regular
    a. Na fase regular, a Liga Portuguesa é disputada por 16 Clubes, jogando entre si, duas vezes e por pontos, uma na qualidade de visitante e outra na qualidade de visitado. 
    b. Desses 16 Clubes, 8 garantem a sua vaga através da última edição da Liga Portuguesa de FIFA. As restantes 8 equipas são apuradas através de qualificadores diretos.
    c. Descem para a 2.ª Liga o 16º, 15º e 14º classificados.
    d. Os 4 Clubes melhor classificados qualificam-se para disputar um play off. 
2. Fase Playoff
    a. O Playoff é composto por duas fases: meias-final e final.
    b. O Playoff é disputado pelos quatro primeiros classificados da Liga Portuguesa
    c. A meia-final é disputada à melhor de três. São disputados no máximo três jogos e, para vencer a eliminatória a equipa tem que vencer dois jogos.
    d. A final é composta pelos dois vencedores da meia-final e disputada à melhor de cinco. São disputados no máximo cinco jogos e, para vencer a eliminatória a equipa tem que vencer três jogos.
    e. A equipa melhor classificada na fase regular tem dois resultados a seu favor em cada jogo dos Playoffs, sendo o empate contabilizado como vitória para a equipa com melhor classificação na fase regular.
    f. Convida primeiro a equipa com melhor classificação na fase regular, alternando nos jogos seguintes.

 

Artigo 12.º Critérios de desempate:

1. Se, no final da fase regular, existirem equipas empatadas procede-se a um desempate através dos seguintes critérios:
    i. Pontos nos confrontos entre as equipas empatadas;
    ii. Diferença entre golos marcados e sofridos nos confrontos entre as equipas empatadas;
    iii. Golos marcados nos confrontos entre as equipas empatadas;
    iv. Diferença entre golos marcados e sofridos em todos os jogos;
    v. Golos marcados em todos os jogos;
    vi. Playoff de desempate
2. Durante o Playoff, o empate no final de uma partida conta como vitória para a equipa com classificação superior na fase regular.

 

Artigo 13.º Calendário

1. A FPF aprova o calendário da Liga Pro Clubs e as suas alterações, define os horários dos jogos, das reuniões organizacionais, das transmissões televisivas, das ações de imprensa e quaisquer outras que, no âmbito da Prova, se venham a realizar. 
2. O calendário pode ser alterado posteriormente à sua publicação, através de comunicação no site esports.fpf.pt, por motivos de interesse da Prova, em casos de força maior, por motivos de transmissão televisiva ou se for deferido requerimento apresentado pelo Clube visitado ou por ambos os clubes intervenientes. 
3. A Liga Pro Clubs será disputada semanalmente com duplas jornadas, entre domingo e quinta-feira e terá como dias base domingo, segunda, quarta e quinta distribuídos pelas respetivas divisões.
4. Os jogos referidos no número anterior são distribuídos por divisões e competições, reservando a organização a possibilidade de marcar jogos de divisões diferentes no mesmo dia.
5. Os horários dos jogos, salvo no primeiro e segundo Match Day, serão revelados pela organização até no mínimo dez dias antes dos respetivos jogos e os mesmos serão entre as 21H30 e 23H30.
6. Caso a organização incumpra o disposto no número anterior, as equipas têm o direito de não realizar o jogo.

 

Artigo 14.º Adiamento de jogos

1. Os jogos não podem ser adiados.

 

Artigo 15.º Regras do Jogo

1. Antes do Jogo:
    a. O prazo de tolerância para o início do jogo é de 5 minutos pós a hora oficial.
    b. A decisão de atribuir falta de comparência a qualquer uma das equipas é exclusiva da Organização.
    c. Cada equipa tem a obrigação de ter um Team Manager no Discord oficial da Liga de Pro Clubs antes do início de cada jogo.
    d. O Team Manager da equipa terá que comunicar através do Discord qualquer situação relativa ao respetivo jogo.
    e. Caso exista algum problema na realização do jogo cada equipa apenas dispõe de uma tentativa para recomeçar o jogo.
    f. Se forem atribuídas duas derrotas consecutivas a uma equipa por falta de comparência sem que um dos treinadores dê explicação para a ausência, esse clube será automaticamente excluído da Liga.
    g. O número mínimo de jogadores para uma equipa iniciar um jogo é de 11.
    h. Conta para os efeitos da regra g) os jogadores que estabeleceram ligação com o jogo e apareçam no menu do mesmo (no decorrer da partida).
    i. Caso a equipa não apresente o número mínimo de jogadores, a mesma pode usufruir do Handicap que serve para penalizar as equipas que apresentam menos jogadores que o permitido. A penalização será feita com atribuição de golos à equipa adversária dependendo do número do Handicap (-2 = +2 golos). Cada divisão tem uma margem de Handicap, abaixo desse limite o Handicap não terá efeito e a equipa perde automaticamente o jogo (2-0). Na Liga Pro Clubs é permitido o Handicap até -2.
    j. Obrigatório jogar com QUALQUER (ANY).
    k. A equipa visitada deve enviar o pedido de amigável à equipa adversária na hora oficial. Caso o convite não seja aceite, a equipa visitada deverá aguardar indicações da Organização.
Todas as equipas devem preencher a ficha de jogo, disponibilizada pela organização no início da competição, devendo a mesma ser respeitada, sob pena de as equipas podem ser penalizadas com a perda de pontos nos respetivos jogos.
2. Durante o jogo
    a. No caso de haver lag, as equipas têm até ao minuto 5 de jogo para saírem. 
    b. Cada equipa tem no máximo uma tentativa de usufruir da possibilidade referida no número anterior.
    c. Caso a situação referida na alínea a) surja, ambas equipas devem verificar as suas ligações, devendo o jogo reiniciar-se com o resultado igual ao momento em que o jogo foi abaixo, devendo o treinador adversário ser avisado, através do canal do jogo no Discord.
    d. No caso de o jogo bloquear, devem-se realizar os minutos restantes. Os marcadores e cartões mantêm-se pelo que se algum Profissional Virtual tiver sido expulso antes do jogo ter bloqueado, não pode jogar os minutos que faltam. Neste caso o número mínimo de jogadores não é tido em conta.
    e. É proibido sair a meio do jogo. Na eventualidade de uma equipa sair após 5 minutos esta perderá automaticamente por 2-0, salvo se o resultado na altura for superior e nesse caso manter-se-á o resultado com os respetivos marcadores e cartões. Se este comportamento for reincidente a equipa será expulsa do torneio.
    f. É proibido o incitamento à expulsão e desistência de toda a equipa durante o jogo, sob pena de a equipa ser penalizada com a perda de 6 pontos. 
    g. A reincidência do comportamento previsto na alínea anterior, implica a expulsão da equipa das competições de Pro Clubs.
    h. Não é permitido empurrar de forma deliberada o guarda-redes. Na eventualidade de um guarda-redes ser empurrado a equipa deve reportar tais factos à organização, através do envio para o seguinte endereço eletrónico: esports@fpf.pt. 
        i. A violação do disposto na aliena anterior, implica o seguinte: 
        i. Se se confirmar que o guarda-redes foi empurrado, é automaticamente atribuída a derrota por 2-0 à equipa que cometeu a infração.
        ii. Se se comprovar que não houve qualquer empurrão, o resultado manter-se-á.
        iii. Se ambas as equipas enviarem vídeos comprovando que se registaram empurrões ao guarda-redes, ambas serão penalizadas com um empate a 0-0 e, por conseguinte, será deduzido 1 ponto a cada equipa.
        iv. Se uma das equipas abandonar o jogo a meio, devido à violação de alguma (s) regra (s) prevista no presente Regulamento, é atribuída a derrota por 2-0 à equipa que abandonar o jogo. 
        v. Se se considerar que o adversário violou alguma (s) regra (s) prevista no presente Regulamento, deve aguardar-se pelo final do encontro para se proceder ao envio do respetivo vídeo à Organização. Qualquer ato que prejudique intencionalmente e/ou beneficie de um movimento em direção ao guarda-redes que prejudique o mesmo sem que este possa ter qualquer tipo de ação, será punido e a decisão revelada no final do encontro. 
        vi. Não é permitido enviar mensagens através da PSN para os adversários com o intuito de causar lag.
3. Após o jogo
   a. Os relatórios dos jogos terão de ser realizados pelo Team Manager ou Capitão, no site esports.fpf.pt.
       i. O prazo para a realização dos relatórios via site será de 24 Horas após a realização do jogo. 
   b. Qualquer equipa que utilize um jogador não elegível será punida com a dedução de 3 pontos e atribuída a derrota no(s) jogo(s) em que o jogador foi utilizado.

 

Artigo 16.º Prémios

1. Ao Clube vencedor será atribuído um troféu oficial. 
2. A FPF pode, ainda, instituir um valor monetário, divulgando aquando da abertura das inscrições. 
3. A cerimónia da entrega dos troféus referidos no número 1 é realizada após o término da competição, competindo à FPF a sua organização, sendo obrigatória a presença dos jogadores e treinadores de ambos os Clubes.

 

 

CAPITULO III – Disciplina

 

Artigo 17.º Sanções disciplinares aplicáveis a participação coletiva e individual

1. As sanções disciplinares aplicáveis aos clubes são:
    a. Derrota
    b. Desqualificação da competição
    c. Suspensão da competição
    d. Exclusão da competição

 

Artigo 18.º Derrota

1. No caso de uma equipa abandonar a competição, é atribuída uma derrota por 2-0 em todos os jogos (realizados ou por realizar), mantendo-se as listas de marcadores, assistentes ou cartões.

 

Artigo 19.º Desqualificação da competição

O Team Manager têm a responsabilidade de certificar que a inscrição e participação da sua equipa está em conformidade com o disposto no presente Regulamento, sob pena de a sua equipa ser desqualificada das provas nas quais está inserida.

 

Artigo 20.º Suspensão da competição

1. A exibição de cartão vermelho direto ou acumulação de amarelos (no jogo) é sancionável com suspensão de no mínimo 1 jogo.. 
2. A contabilização de cartões vermelhos e respetivas suspensões apenas são aplicáveis aos respetivos jogadores

 

Artigo 21.º Exclusão da competição

1. A Organização tem o direito de excluir qualquer equipa que por ocasião dos jogos utilize linguagem antidesportiva, que incite a violência, corrupção, combinação de resultados desportivos, racismo, xenofobia ou qualquer outra forma de influenciar a adulteração de resultados desportivos ou de discriminação.
2. A Organização tem o direito de excluir de todas as provas qualquer equipa que utilize qualquer tipo de cheat ou glitch de uma forma coletiva e deliberada.
    a. Não conta para os efeitos da regra 2 a utilização do glitch dos atributos e/ou overall.
    b. É da responsabilidade do Team Manager de verificar que nenhum jogador da sua equipa está a utilizar um glitch.
    c. Caso um jogador utilize um glitch dos atributos e/ou overall, será banido de todas as competições FPF eSports após ser confrontado com as provas e após a confirmação das mesmas. Se a utilização for durante um jogo da FPF eSports, será atribuída derrota no(s) jogo(s) em que a equipa utilizou o respetivo jogador.
    d Conta para efeitos da regra 2c, o período que decorrem competições de Pro Clubs da FPF eSports.
3. Todos os jogadores devem ter conhecimento dos cheats e glitchs presentes no FIFA 18. O jogador deve procurar informação junto dos responsáveis da equipa e da organização. O desconhecimento desta situação não serve de argumento.

 

Artigo 22.º Protestos dos jogos

1. Os protestos dos jogos da Liga Portuguesa são julgados pela FPF eSports.
2. Os protestos dos jogos são dirigidos à FPF eSports, devendo os fundamentos e a sua tramitação respeitar o que se encontra definido no presente Regulamento. 
3. Os protestos dos jogos apenas podem ser interpostos pelos Clubes neles intervenientes.

 

 

CAPÍTULO IV - Organização comercial

 

Artigo 23.º Direitos

1. A FPF tem competência exclusiva para a negociação, autorização e sponsorização dos patrocínios, da publicidade, dos direitos de transmissão televisiva da fase regular, fase do Playoff e da Final, e quaisquer outros relativos à promoção e exploração da Prova e de cada um dos jogos que a integram.
2. Compete à FPF atribuir o estatuto de patrocinador oficial da Liga Portuguesa Pro Clubs.
3. A FPF é ainda a única detentora dos direitos de captação, fixação, acesso, disponibilização, exploração e transmissão, nacional ou internacional, por televisão, streaming ou qualquer meio, das imagens e sons dos treinos oficiais, jogos, entrevistas, cerimónias e conferências que no âmbito da Liga Portuguesa Pro Clubs se venham a realizar. 
4. Qualquer jogo que não seja transmitido pela FPF eSports ou respetivo media partner, pode ser transmitido pelos canais que sejam da inteira responsabilidade dos clubes.
5. A recolha de imagens dos jogos para sua divulgação, quando feita por entidades que não sejam titulares dos direitos de transmissão televisiva, apenas pode ser feita nos termos e para os efeitos do disposto na lei e nos regulamentos da FPF. 
6. Compete ao Clube visitado assegurar que a FPF detém os direitos referidos no presente Capítulo. 
7. Todas as equipas têm obrigação de ter dois elementos que realizem stream do respetivo jogo.
    a. Conta para o efeito da regra 7 os jogos com transmissão garantida pela organização.
    b. A stream do jogo deve ser acordada junto da organização.
    c. Para realizar uma stream o jogador deve solicitar junto da organização o manual de streaming.
    d. Em caso do jogo não ser transmitido pela organização, as equipas têm obrigatoriamente de garantir a gravação do mesmo e entregar à organização.
8. A FPF tem a responsabilidade de trabalhar em conjunto com o media partner e proteger os valores da competição.

 

Artigo 24.º Entrevistas no final do jogo

No final do jogo, é obrigatória a realização de entrevistas rápidas aos técnicos e jogadores.

 

 

Capitulo V - Organização Financeira

 

Artigo 25.º Competência

A organização financeira da Liga Portuguesa Pro Clubs é da competência da FPF.

 

Artigo 26.º Encargos com deslocações

O Clube da Liga Portuguesa apurado para a final da Supertaça, que será disputada em evento offline, suportará os encargos com as respetivas deslocações.

 

 

Capitulo VI – Disposições finais e transitórias

 

Artigo 27.º Transição da Liga Portuguesa de FIFA

1. A Liga Portuguesa de FIFA é uma competição composta por clubes comunidade, cujos participantes transitam automaticamente, reconhecida pela FPF eSports como base da Liga Pro Clubs 2017/2018, uma vez preenchidos todos os requisitos previstos no presente Regulamento. 
2. Todos os dados facultados pela Liga Portuguesa de FIFA à FPF eSports, incluindo a sua veracidade, observam o regime legal de proteção de dados e são da responsabilidade da organização prova referente à época 2016/2017. 
3. A listagem e ordem de clubes que transitam da Liga Portuguesa de FIFA para a FPF eSports, é a seguinte:

• EGN eSports (ex Estrondo FC)
• Sporting CP (ex LionHearts)
• SC Braga (ex Enigma FC)
• For The Win Legacy (ex FC Legacy)
• Rio Ave FC (ex Portigers FC)
• Hexagone Lisboa (ex Lisboa FC)
• Estoril Praia eSports
• Boavista FC

A Federação Portuguesa de Futebol, no âmbito da aposta que tem vindo a ser feita na vertente de esports, reitera a sua posição relativamente ao desenvolvimento de uma comunidade de jogadores de FIFA, com o objetivo claro e inequívoco de fomentar uma cultura que privilegie a participação, o respeito e a competição entre os jogadores. A incorporação na FPF eSports do trabalho desenvolvido pela Liga Portuguesa de FIFA é um compromisso desta secção, demonstrado respeito pelo histórico e pelo trabalho de excelência desenvolvido, que não poderia deixar de ser aproveitado no arranque das competições. Acreditamos que unindo forças com todas as organizações estaremos em condições de proporcionar um melhor espaço competitivo e, por conseguinte, potenciar o crescimento dos esports em Portugal.

 

Artigo 28.º Comunicações

1. Todas as comunicações entre as Partes deveráo ser efetuadas mediante correio eletrónio para o seguinte endereço: esports@fpf.pt
2. As comunicações realizadas nos termos do número anterior apenas se considerarão efetuadas, se endereçadas À FPF eSports, não se considerando válidas aquelas que sejam enviadas para outros departamentos da FPF.

A FPF eSports relembra que após o fecho das inscrições, as mesmas serão analisadas e com base nessa análise será apresentado o regulamento da Taça da Liga com a devida estrutura e o processo de distribuição dos clubes pelas divisões.

 

Artigo 29.º Entrada em vigor

O presente Regulamento entra em vigor a partir de 19 de Março de 2018 devendo ser publicitado através do site esports.fpf.pt.

Fonte: https://esports.fpf.pt
Noticia vista 349 vezes

   


SEGUE NOS NO FACEBOOK
SEGUE NOS NO FACEBOOK
Sócio do Portimonense
AGENDA DA esports
intouchbiz.com
Portimonense Sporting Clube -- 2017 @ Todos os direitos reservados