Atualidade:  Futebol SAD  |  Formação  |  Futsal  |  Basquetebol  |  Veteranos Facebook Contatos
       
 
ARQUIVOS: SENIORES
 
JOGADORES e STAFF:
 
JOGADORES / STAFF DO PORTIMONENSE
Barão
  Jogador no Portimonense
 
 
Nome: Francisco da Cruz Barão
Nasceu a:  13-06-1957
Nacionalidade: Português
Posição:  Defesa
Épocas:
1983/1984
1984/1985
1985/1986
1986/1987
1987/1988
 








ENTREVISTA Com FRANCISCO BARÃO ao Blog do Portimonense

sexta, 01 agosto 2008

 
ANTES DO PORTIMONENSE 
 

BdP: O Barão nasceu em Moreanes, uma pequena terra no interior do Alentejo. Como tomou contacto com o Futebol?

FB: "Mesmo sendo um alentejano assumido, fui muito novo para Lisboa. A partir dos 4\5 anos vivi na zona de Sacavém, mais concretamente no Prior Velho. Com muito espaço e muitos amigos começámos a fazer os nossos campeonatos de rua. Aos 13\14, já organizados num clube "OS GUADIANAS" (o nome tem a ver com o Rio Guadiana), e treinados pelo sr. Barão (meu pai), faziamos jogos com outros bairros. Num desses jogos um olheiro do Sporting convidou-me para ir treinar. Assim começou a minha carreira".

 

BdP: A profissionalização surgiu através do Sporting. A formação de futebolistas era muito diferente do que se faz actualmente?

FB: "Sim, sem dúvida! Hoje as condições de trabalho que alguns clubes (nomeadamente o Sporting) já têm para os jovens da formaçao são excelentes. Nos meus 15/16/17 anos, quando fiz juvenis e juniores, treinávamos num campo pelado às 19.00h e com pouca luz. Hoje os jovens conseguem ter outras condições... e ainda bem".
 

BdP: Barão chegou a ser Campeão nacional pelo clube de Alvalade. Como se sente por fazer parte da restrita lista de Campeões?

FB: "Posso dizer-vos que na minha carreira de jogador tenho 3 títulos de Campeão Nacional (73/74 júnior, 78/79 sénior, 81/82 sénior) no Sporting, fui finalista da Taça de Portugal 4 vezes, mas uma das maiores alegrias e conquistas que me dá mais prazer recordar é o apuramento do Portimonense para a Taça UEFA, logicamente que todos estes títulos fazem parte do meu álbum de recordações, do qual muito me orgulho".
 

BdP: Chegou a ser Internacional?

FB: "Sim. Fui Internacional Esperança por 12 vezes. Fiz o torneio de Toulon e mais 4/5 jogos para o apuramento do Campeonato Europeu de Esperanças".

 
NO PORTIMONENSE
 
BdP: Como surgiu o interesse do Portimonense?
FB: "Com a entrada do Manuel José como Treinador o Portimonense foi elaborada uma lista de jogadores como possíveis reforços, dessa lista constava o meu nome. Após várias reuniões chegámos a acordo".
 
BdP: Sempre foi um elemento bastante regular durante os 5 anos que jogou em Portimão. No entanto, segundo os nossos registos, não disputou qualquer jogo da época 84/85. Fala-se de uma lesão grave. O que aconteceu?
FB: "Pois é, a vida de jogador não são só coisas boas também temos alguns contratempos. No final da época 83/84 no jogo Setúbal -Portimonense tive uma lesão nos ligamentos cruzados anteriores (lesão gravíssima e de longa recuperação) 

que me obrigou a uma paragem de 7/8 meses. Quando me encontrava recuperado e pronto para jogar sofri de novo no mesmo joelho uma lesão do menisco o que fez com que não tenha jogado nessa época".
 
BdP: Era por vezes acusado de dureza. Há inclusivamente testemunhos de um jogo em que uma marcação impiedosa ao Futre (em Alvalade) valeu-lhe um coro de assobios. Recorda-se deste jogo?
FB: "Sinceramente não me recordo, mas era natural os adeptos das outras equipas assobiarem, porque a minha forma de defender a camisola que representava era de uma forma muitíssimo profissional e isso de certeza que não lhes agradava".
 
BdP: Outro célebre jogo foi o que o Portimonense disputou em casa, frente ao FC. Porto, em que teria havido um suposto aliciamento ao Cadorin. O plantel tomou conhecimento desta situação? Como lidaram com a pressão existente?
FB: "Em todo historial do Futebol português houve e há histórias de aliciamento de jogadores, de árbitros, de promessas de grandes contratos para as épocas seguintes. O importante era entrarmos em campo unidos e defendermos os interesses da equipa de forma séria e cumprirmos com as indicações do Treinador".
 
BdP: Barão foi peça fundamental na temporada que permitiu o apuramento para a Taça UEFA. Alguma vez se pensou que o Portimonense poderia chegar ainda mais longe?
FB: "Nessa época fizemos um Campeonato extraordinário. A nível europeu alguma falta de experiência não nos deixou ir mais longe, mas o apuramento para a UEFA é sem dúvida o ponto mais alto na História desse grande clube que é o PORTIMONENSE".
 
BdP: Contabilizámos 74 jogos oficiais pelo Portimonense. Qual o que se mantém mais fresco na sua memória?
FB: "Cinco épocas, 74 jogos como jogador, mais dois anos e meio como Treinador-adjunto (e Treinador principal uma semana, o que muito me honra!). Todo o tempo que representei o Portimonense senti um grande orgulho".
 
BdP: Que recordações tem da massa associativa que apoiava o Portimonense?
FB: "Recordações muito boas. Primeiro porque fui sempre muito apoiado depois porque com a minha forma de defender a camisola do Portimonense era lógico que os associados gostassem".
 
BdP: Qual o treinador que mais o marcou no Portimonense?
FB: "Todos os Treinadores com que trabalhei me deixaram marcas, uns boas outros menos boas. No Portimonense aquele que mais me marcou foi Manuel José".
 
BdP: E quais os jogadores que, na sua opinião, mais se destacavam?
FB: "Nos anos que representei o Portimonense convivi com grandes jogadores (Nivaldo, Vítor Oliveira, Cadorin, Balacó, Freitas, Simões etc... etc....) mas sem dúvida o melhor, o maior foi o SR. VíTOR DAMAS".
 
BdP: Diz-se que o nosso clube chegava a oferecer melhores contratos que os clubes grandes. Pode confirmar-nos este facto?
FB: "Em parte era verdade. Alguns jogadores que vinham dos clubes chamados grandes nesses mesmos clubes não eram os ""craques"" mas sendo grandes jogadores e também porque mudavam de clube eram recompensados financeiramente".
 
BdP: Como era viajar de Portimão para várias cidades do Norte, sendo que as autoestradas eram praticamente inexistentes? Este factor teria influência no rendimento da equipa?
FB: "As estradas não eram grande coisa, mas como viajávamos na antevéspera dos jogos não havia grande influência no rendimento".
 
BdP: Que recordações mantém vivas da nossa cidade?
FB: "Vivas e boas, MUITAS. Não posso esquecer que foi nos sete anos de Portimão que os meus filhos tiveram os primeiros anos de escolaridade (NDR - O filho de Barão, Ricardo, foi colega de escola do Simõesonov). Nesse tempo vi crescer uma cidade virada para o futuro em termos de infraestruturas turísticas e em termos desportivos a conquista de classificações nos campeonatos nacionais que muito fizeram para o engrandecimento da cidade de PORTIMÃO".
 
BdP: Porque saiu do Portimonense?
FB: "Deixei a situação de jogador devido a lesões graves. Passei para adjunto durante dois anos e meio e quando pensei que o Presidente (Manuel João) ia cumprir com a promessa que tinha feito no balneário que eu seria o Treinador principal até ao final da época (depois da saída do José Torres) ele não cumpriu e apresentou outro Treinador. Eu como homem que me prezo ser, vim embora e comecei a minha carreira de Treinador principal".

 
APÓS O PORTIMONENSE 
 
BdP: Sempre teve em mente enveredar pela carreira de Treinador quando "pendurásse as botas"? 
FB: "Sim. Tanto que nos últimos anos de jogador já tinha curso de Treinador".
 
BdP: O Barão já treinou vários clubes de divisões secundárias. Tem inclusivamente subidas de escalão no curriculum…
FB: "É verdade. Os clubes por onde passei nestes 20 anos de Treinador são imensos, MUITAS subidas, algumas descidas (poucas), algumas "chicotadas psicológicas" mas um ORGULHO ENORME de toda a minha carreira. Só com uma mágoa: não ter voltado a Portimão como Treinador Principal".
 
BdP: Voltou a Portimão desde que saiu do nosso clube?
FB: "Claro, algumas vezes de férias e uma duas vezes em trabalho".
 
BdP: Tem acompanhado o percurso do Portimonense nos últimos anos?
FB: "Logicamente, primeiro como Treinador de Futebol sempre atento à evolução dos Campeonatos e das classificações, depois também porque o Portimonense é sem dúvida um dos clubes que mais mexe comigo e de que eu mais eu gosto".
 
BdP: Como viu a descida do clube para as divisões secundárias?
FB: "Com alguma apreensão e com um desgosto muito grande. Por todo o historial e mais ainda agora pelas pessoas que comandam o clube (Presidente e Responsável pelo Futebol são meus grandes amigos). É lógico que gostaria que o Portimonense voltasse rapidamente ao escalão máximo".
 
BdP: Para terminar, uma mensagem aos nossos adeptos e amigos.
-Primeiro, que APOIEM SEMPRE
-Segundo, que sejam tolerantes
-Terceiro, que respeitem sempre o EMBLEMA, a DIRECÇÃO, o TREINADOR e os JOGADORES. "A GRANDEZA DOS CLUBES É REPRESENTADA PELO COMPORTAMENTO DOS SEUS ADEPTOS E AMIGOS".
 

 

 

 


 

 


 




















 
  
 
 
Produzido por Lúcio Sacristão para o Portimonense Sporting Clube e Portimonense Futebol SAD - 2016 @ Todos os direitos reservados